10 de mar de 2009

Frase do dia...

“Todo conhecimento começa num sonho. O conhecimento nada mais é que a aventura
pelo mar desconhecido, em busca da terra sonhada. Mas sonhar é coisa que não
ensina. Brota das profundezas da terra. Como mestre só posso então lhe dizer uma
coisa: Conte-me seus sonhos para que sonhemos juntos”.

(Rubem Alves)

Acordo Ortogáfico

Acordo ortográfico

Língua Portuguesa.
Mudando, mas sempre nossa.
Como você sabe, haverá algumas alterações ortográficas na
Língua Portuguesa.
Nessa fase de transição,
é natural que surjam algumas questões. Por isso,
para ajudar a tirar suas dúvidas,
criamos esse pequeno guia.
Afinal, a escrita
de algumas palavras pode mudar, mas a Língua Portuguesa
vai continuar sendo a melhor maneira de expressar o nosso jeito de ver e sentir o mundo.

O QUE FOI REFORMULADO

Alfabeto

Introduzem-se as letras k, w e y em nosso alfabeto,
que passa a ter 26 letras.

Trema

Deixa de existir, a não ser em nomes próprios estrangeiros e seus derivados.
Exemplo: mülleriano (de Müller).

Hífen

Não se usa hífen:
1 – Nas formações em que o primeiro elemento termina em vogal e o segundo começa com r ou s. Nesses casos, dobram-se o r ou o s.
Exemplos: antirreligioso, contrarregra, antissemita, contrassenha, cosseno.
2 – Nas formações em que o primeiro elemento termina em vogal e o segundo começa com uma vogal diferente.
Exemplos: antiácido, extraescolar, autoestrada, autoaprendizagem.
3 – Em certos compostos em que se perdeu a noção de composição:
Exemplos: paraquedas, paraquedismo, paraquedista.
Usa-se hífen:
Nas formações em que o primeiro elemento termina na mesma vogal com que se inicia o segundo.
Exemplos: anti-ibérico, arqui-irmandade, micro-onda, eletro-ótica.
Exceção: Nas formações com o prefixo co-, este se junta com o segundo elemento mesmo quando iniciado por o: coobrigação, coocupante, coordenar, cooperação.

Acentuação gráfica

Não levam acento circunflexo:
1 – As terceiras pessoas do plural do presente do indicativo ou do subjuntivo dos verbos crer, dar,
ler e ver e correspondentes formas compostas.
Exemplos: creem, descreem; deem; leem, releem; veem, reveem.
2 – As palavras terminadas em hiato oo.
Exemplos: abençoo, enjoo, povoo, voo.
Não levam acento agudo:
1 – Os ditongos ei e oi da sílaba tônica das palavras paroxítonas.
Exemplos: assembleia, ideia, onomatopeico, proteico, jiboia, alcaloide, heroico, paranoico.
2 – O i e o u tônicos das palavras paroxítonas quando precedidos de ditongos.
Exemplos: baiuca, boiuno, feiura.
3 – O u tônico das formas rizotônicas dos verbos arguir e redarguir.
Exemplos: arguo, arguis, argui, arguem; redarguo, redarguis, redargui, redarguem.
Acento diferencial

Não se acentuam mais:
• para (á) flexão de parar
• pela (é) substantivo e flexão de pelar
• pelo (é) flexão de pelar e pelo (ê) substantivo
• polo (ó) substantivo
• pera (ê) substantivo

Translineação

Repete-se o hífen:
Na mudança de linha, quando a partição de uma palavra composta ou de uma combinação de palavras em que há hífen coincide com o final de um dos elementos ou
membros, deve-se repetir o hífen no início da linha imediata.
Exemplos: ex- vice-
-alferes -almirante
serená- serená-los-
-los-emos -emos

O QUE PERMANECE

Hífen


Usa-se o hífen:
1 – Nas formações em que o segundo elemento começa com h.
Exemplos: super-homem, ultra-higiênico, extra-humano.
2 – Nas formações com circum- e pan-, quando o segundo elemento começa com vogal, m ou n.
Exemplos: circum-escolar, circum-murado,
circum-navegação, pan-africano, pan-mágico,
pan-negritude.
3 – Nas formações com ex-, pós-, pré-, pró-, sota-,
soto-, vice- e vizo-.
Exemplos: ex-diretor, pós-graduação, pré-escolar, pró-europeu, sota-piloto, soto-mestre,
vice-presidente, vizo-rei.
4 – Nas formações com inter-, hiper- e super- quando o segundo elemento começa por r.
Exemplos: inter-resistente, hiper-realismo, super-resfriado, super-romântico.
5 – Nos compostos com os advérbios bem e mal quando o segundo elemento começa por vogal
ou h.
Exemplos: bem-aventurado, bem-estar,
bem-humorado; mal-afortunado, mal-estar,
mal-humorado.
Obs.: Ao contrário de mal, bem pode não se juntar com palavras começadas por consoante.
Exemplos: bem-criado (malcriado), bem-falante (malfalante), bem-mandado (malmandado),
bem-nascido (malnascido), bem-visto (malvisto).
6 – Nos compostos com os elementos além, aquém, recém e sem.
Exemplos: além-mar, além-fronteiras,
aquém-Pireneus, recém-casado, recém-nascido,
sem-cerimônia, sem-número, sem-vergonha.

Acentuação gráfica

Mantêm-se as regras básicas de acentuação:
1 – Proparoxítonas
Todas são acentuadas.
Exemplos: ônibus, pássaro, romântico.
2 – Paroxítonas
Terminadas em r (açúcar), l (nível), n (hífen), x (fênix),
i/is (júri), us (vírus), um/uns (álbum), ão/ãos (bênção),
ã/ãs (órfã), ei/eis (jóquei), ps (fórceps), ditongo crescente (colégio).
Obs.: • Não se acentuam paroxítonas terminadas em ens (hifens).
• Não se acentuam prefixos paroxítonos terminados em i e r (anti-histórico,
super-homem).
3 – Monossílabas tônicas
Terminadas em a/as (pá), e/es (pé), o/os (só),
éi/éis (réis), éu/éus (véu), ói/óis (dói).
4 – Oxítonas tônicas
Terminadas em a/as (sofá), e/es (café), o/os (tricô), éi/éis (papéis), éu/éus (fogaréu), ói/óis (herói),
em/ens (refém).

5 – Casos especiais
a) Acentuam-se o i e o u tônicos dos hiatos, desde que sozinhos na sílaba ou seguidos de s (saída, faísca).
Obs.: Não se acentua o i tônico seguido de nh (fuinha, rainha).
b) Acentuam-se as terceiras pessoas do plural dos verbos ter, vir e correspondentes formas compostas.
Exemplos: têm, vêm (de “vir”), abstêm, advêm, contêm, detêm, obtêm, mantêm, provêm (de “provir”).
c) Mantém-se o acento diferencial (circunflexo) nas formas verbais:
• pôr (verbo), para se diferenciar de por (preposição);
• pôde (terceira pessoa do singular do pretérito perfeito do indicativo), para se diferenciar de pode (terceira pessoa do presente do indicativo).